Engasgo

Sou feita de inteiros estraçalhados.
Eu não sei lidar com os meus vazios. As faltas e os excessos me consomem.
No meio, o abismo.
Limbo.

– passo a maior parte da minha vida entre os dois extremos do abismo. evito olhar para o limbo. não há como descrever um vazio sem fechar os olhos, a densidade do vácuo queima lentamente cada ponta do meu corpo, eu flutuo em queda, o ar pesado – tão cheio de nada – me suga os brônquios. expiro. eu não consigo inspirar. sufoco. tudo o que me sai, jorra, derrama, me afoga. engasgo. eu deslizo por todos os meus poros, a falta desce viscosa pela garganta.

A escuridão me cega.
Eu não sei viver nos meios.

Eu preciso de inteiros, ainda que estraçalhados.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s