Too much going on

O negócio é o seguinte. Tô indo pro Brasil no Sábado, e chego em Sampa no dia do MEU aniversário!!!! Quer presente melhor que esse???
Como era de se esperar, vai começar a maratona balada, e eu tô louca por uma!!
Não tô nem acreditando que vou ver meus amigos de novo, meu cachorro lindo amado, minha família querida!!! Praia, nem que seja nublada, novela, Globo, tudo o que eu tenho direito!!
Além disso ainda tô me acostumando com o fato de estar em aviso prévio. Posso dizer que tenho me sentido extremamente feliz esses dias, meu humor no trabalho mudou completamente. Ontem a gerente de RH veio me convencer a ficar…. disse que não me obrigaria a fazer turno noturno, mas eu não quero mais mesmo, obrigada. A não ser que me oferecessem uma vaga em outro setor, recepção eu não fico mais.

E é isso. Infelizmente o David não vai poder ir comigo pro Brasil 😦 … ele tem muito trabalho pra esse mês. E eu vou morreeeeeeer de saudades do meu babe!! Mas vou poder aproveitar bem mais um bom colinho de mãe!!!

Uhuuuuu Vila Madá aqui vou eu!!!!

Freedom tastes sweet

Pois é. Pedi demissão. Foi assim, de sopetão.
Na verdade nós somos em quatro. Uma vai sair de licença maternidade, uma pediu demissão há 20 dias e a outra pediu demissão há uma semana. Eu contei que a minha gerente queria que a gente fizesse turno noturno, né? Claro, porque a gente é robô e funciona na hora que ela bem desejar.
O que aconteceu foi que, assim que a última pediu demissão, eu esperei pra ver como seria tratada pela minha gerente, afinal, eu seria a única a restar no departamento. E ela me tratou como lixo.
Eu já tava bem de saco cheio de lidar com o mau humor dela, e já estava pensando em sair quando voltasse do Brasil. Fui até o RH e perguntei se poderia dividir meu aviso prévio, metade agora, metade depois das minhas férias. E assim foi. Meu último dia será dia 18 de Junho.
Terei tempo o suficiente pra achar outra coisa e, pra ser sincera, qualquer coisa é melhor do que um lugar que fica aberto 24 horas por dia, 7 dias por semana.
E foi assim, rápido e dolorido. Pra minha gerente, óbvio.
É o fim do vestidinho de crepe ridículo, da odiada meia calça cor da pele, do sapatinho de vovó!! É o fim do blazer com ombreira que vai até o joelho, do cabelo preso todo dia e das unhas pálidas! É o fim, principalmente, da convivência diária com a filha do Hitler, a alemã mais horrorosa que eu já conheci na vida.

A sensação é como sair de uma prisão, de um buraco escuro. É a minha vida voltando às minhas mãos.
Se eu tô preocupada? Não. O mínimo que pode acontecer é eu trabalhar em loja, ganhando a mesma coisa e tendo uma vida das 10 às 17h.

Preciso contar

Pedi demissão.

Volto com detalhes.

Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que o medo impeça de tentar.”
(Luis Fernando Veríssimo)

Enjoy your Sunday

“Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.”

(Clarice Lispector)

Wake up call

E não é que, à beira dos 29, eu encontro meu segundo fio de cabelo extra-loiro….

Ai, que dor…

Greve

Parece que eu e o David entramos – ambos – em uma calada e consentida greve de lavar a louça…. Faz só dois dias, mas ele chega do trabalho às 5, a pia continua igual, e eu chego do trabalho à meia-noite e a pia… nem sinal de movimentação humana. Ainda bem que não existem baratas nesse país.
Não se preocupem, amanhã de manhã eu juro que lavo.

Dava tudo por uma Margarete versão britânica, a Rosie dos Jetsons, uma lava-louças,  ou – melhor ainda – o pai do Rodney, do filme “Robôs”, que já vinha com uma embutida.

Inglesiando

Pra eu me adaptar de verdade na Inglaterra eu preciso realizar um dos meus dois sonhos. Cada qual com seu sentimento de “casinha de boneca”… Pra cada um, uma estrada diferente e destinos inimagináveis.

red-caravan-from-ebay

Sempre quis morar num barco a mercê do Tâmisa. Não sei se é por causa dos festivais, mas ultimamente tenho me inclinado muuuuuuito para o trailer, “caravan”, como chamam aqui. E tem que ser retrô, colorida e cheia de flores.

Sobre-viva

“Acho que devemos fazer coisa proibida, senão sufocamos. Mas sem sentimento de culpa e sim como aviso de que somos livres.”

Já disse Clarice Lispector… Mas eu vou um pouco mais além. Como aviso de que estamos vivos. Às vezes a gente cai num marasmo, numa rotina de dia-a-dia que simplesmente nos faz esquecer do fato mais simples de todos: a vida.
É todo dia acordando com o despertador, tomando banho, se arrumando pra ir pro trabalho. Trânsito, escritório, os mesmos cenários de sempre. As mesmas pessoas, o mesmo restaurante por quilo, a manicure na quinta-feira, a aula de spinning, o inglês, o trabalho pra casa. E no final da noite, a televisão, o computador, a cama. E quando você acorda de novo, tudo parece extremamente normal. Mediocre. Banal.
E é aí que é a hora de mudar. Porque ela já disse também que só o que é morto não muda. E você e eu estamos muito  vivos.
Mude o caminho pro trabalho. Caminhe muito mais do que faz hoje. Pegue atalhos diferentes, olhe para as árvores, explore seus tamanhos e cores. Deixe a ipod de lado por um tempo e preste atenção aos barulhos. Ouça os passarinhos. Eles estão sempre lá, e você nunca lhes dá ouvido.
Mude seu quarto. Improvise um feng shui e mude a cama de lugar. Melhor ainda, coloque a cama debaixo da janela. E se não tiver nada pra fazer esta noite, apenas olhe para o céu e sinta a presença de uma energia muito maior que a nossa. Quem sabe a noite esteja toda estrelada…
Mude o toque do seu celular, mude o toque do seu despertador. Ouça mais músicas que te fazem bem. Cante alto e dance, não tenha preconceitos contra você mesmo. Que se dane o que os outros pensam. Você está apenas vivendo.
Pise na grama descalço e sinta a vibração que vem da terra. É inexplicável. Prove sabores diferentes, vá além da mesquinharia da sua rotina. Mude o restaurante, chame alguém que você adore pra almoçar com você. Use sapato baixo se está todos os dias de salto. Coloque o seu vestido mais solto e saia no vento, sinta o vento percorrer todo o seu corpo. Não há nada que me faça sentir mais viva do que o vento no rosto.
Tome um banho de chuva, um banho de mar, um banho de cachoeira. Quem foi que disse que você não pode pegar o carro hoje e ir até a praia?
Desligue a tv, o computador e pegue aquele livro que quer ler há tanto tempo. Sente ao ar livre, abra uma canga na praça perto da sua casa. Sinta o sol, permita-se.
Se tudo deu errado hoje e não tem ninguém nem pra tomar uma cerveja no barzinho com você, vá sozinho, vá ao cinema, ao parque. Sozinho mesmo. Ou faça como uma amiga minha e viaje sozinho. Pra Salvador, no carnaval. Se dê oportunidades de conhecer pessoas que mudarão sua vida pra sempre.
Esteja atento. Respire fundo, lembre-se sempre de respirar. Pare e respire. Deixe o oxigênio te desintoxicar. Faça yoga, medite. Feche os olhos e deixe os pensamentos fluirem. E aqueles que te fazem mal, coloque-os numa lata de lixo imaginária e feche a tampa. Ou permita que eles sejam levados por aquele vento.
Não se preocupe com o seu corpo, use-o. Tire um dia pra você, marque uma massagem, faça uma exfoliação em casa, tome um banho de banheira com pétalas de flores e velas acesas. Acenda um incenso e brinque com os aromas. Teste aromas em casa todos os dias. Coloque canela e cravo numa frigideira e deixe queimar devagarinho.
Encha a casa de lírios, encha a casa de flores. Pinte a parede daquela cor que você sempre quis.
Se estiver a fim de não fazer nada hoje, tome um banho, coloque sua melhor maquiagem, aquela roupa infalível, e saia pra qualquer lugar. Nem que seja para um café na esquina da sua rua.
Se estiver com a agenda cheia, desmarque tudo e não faça nada. Fique de pijamas e pantufas, alugue aquele filme água-com-açúcar que você adora. E não se culpe por isso.
Encontre seus amigos numa terça-feira à noite. Porque não?? Invente um queijo e vinho em casa esta noite. Festeje sempre, qualquer ocasião. Nunca deixe nada passar em branco. Toda oportunidade é uma porta para outras.
Surpreenda a sua mãe com um buquê de flores, seu cachorro com um passeio no fim do dia, seu namorado ou namorada com aquela sobremesa que só você sabe fazer.
Compre tickets para aquele show, compre dois, antes mesmo de ter alguém pra ir. Não dependa das pessoas. A vida é agora e só você pode fazer algo por você mesmo.
Se quiser experimentar coisas novas. experimente. Com consciência, mas faça. Não corra o risco do “e se”… “e se eu tivesse feito, e se eu tivesse ido, e se eu tivesse falado…”
Salte de paraquedas, faça um curso de mergulho em alto mar, voe de balão, vá ao Maracanã num dia de FlaFlu, vá a uma rave, vire uma tequila, sei lá. Sem fazer apologia a nada, afinal, cada cabeça – uma sentença. Somente lembre-se de se permitir. Depois de um tempo a gente aprende que é preciso muito pouco para que a gente se sinta vivo.

free