Piadinha

Duas criancinhas de oito anos conversam no quarto.
O menino perguntou para a menina:

– O que você vai pedir no DIA DAS CRIANÇAS?
– Eu vou pedir uma Barbie, e você?
– Eu vou pedir um O.B.! – responde o menino.
– O.B.?! O que é isso?!
– Nem imagino… Mas na televisão dizem que com O.B. a gente pode ir à praia todos os dias, andar de bicicleta, andar a cavalo, dançar, ir ao clube, correr, fazer um montão de coisas legais, e o melhor… SEM QUE NINGUÉM PERCEBA!!!!!!!!

 

 

Anúncios

Um dia depois…

O que falar do show??????????

Que eu ainda estou quebrada, que fiquei 14 horas na função, tô sem voz, toda dolorida, pulei que nem uma mini pulga, tô com dor no maxilar de tanto abrir a boca e cantar… mas, enfim… sou a pessoa mais feliz do mundo!!! Tirei um peso das minhas costas de 13 anos!!! E foi uma das noites mais incríveis!!!!

 

Amanhã eu falo com calma, coloco fotos e afins. Por enquanto vou me esticar no sofá, colocar os pés pra cima e curtir o marido – que tá com ciúmes do Jon…

Vida real

IML confirma violência sexual em índia xavante

O Instituto Médico Legal (IML) da Polícia Civil do Distrito Federal constatou, por meio do exame de necropsia feito na índia xavante de 16 anos que morreu na quinta-feira, que ela foi vítima de violência sexual provocada por objeto contundente. Segundo o IML, o objeto perfurou o baço, o estômago e o diafragma da vítima, provocando infecção generalizada.

A índia morreu no Hospital Universitário de Brasília (HUB). A ocorrência foi registrada na 2ª Delegacia Policial da Asa Norte. De acordo com a Funasa, a jovem teve meningite na infância e apresentava lesão neurológica. Ela não conseguia falar e se locomovia por meio de cadeira de rodas.

A vítima, que fazia tratamento no Hospital Sarah Kubitschek, era da aldeia São Pedro, no município de Campinápolis (MT). Desde maio, ela, morava na Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casi) do Distrito Federal, próximo ao Gama.

Fonte: TERRA

 

Nossa, isso me lembrou muito “Fale com ela”, do Almodóvar…

Fire trouble

Ontem adivinhem quem inaugurou o alarme de incêndio do prédio????????? Eu, claro.

Resolvi fazer fishcakes pro David. Assei, mas não ficaram legais. Resolvi então dar uma leve fritadinha nos bichinhos. Coloquei um tico de óleo na frigideira e deixei no fogo esquentando. Só que a janela da cozinha tá com um problema que parece que vai cair, então deixei ela fechada. E esqueci de ligar o exaustor… e o alarme de incêndio é quase em cima do fogão.

Resultado, vim para a sala perguntar um negócio pro David e de repente aquele barulho ensurdecedor. Eu nem me liguei que pudesse ser do óleo… fomos pra cozinha e tinha uma fumacinha saindo do dito cujo, mas gente, nem chegou a queimar o óleo!!!!
O David sacou o pano de prato e começou a abanar o detector. Eu abri a janela e pensei “se cair agora, paciência, só completa a cena” (pensa que é difícil?? já fiz outra janela cair na minha vida, outra hora eu conto). Liguei o exaustor (tudo que eu deveria ter feito ANTES..).
Nesse meio tempo a gente não trocou uma palavra, o que dificultou muito a ação no processo. Também, nem se eu gritasse ele ouviria, tão forte era o som do bagulho. Eu abri a porta, achando que ele fosse me dar um apoio moral e descer até o painel de incêndio, mas ele nem viu, tava abanando a porta da cozinha.
Desci correndo e percebi que o alarme era no prédio inteirinho, ecoava por todos os cantos de Reading. O povo da rua olhava, os meus vizinhos já estavam fora de suas casas, todo mundo querendo saber o que tava rolando.
Eu desci e parei na frente do painelcom cara de paisagem. Veio o meu vizinho weird (esse é um que se mudou há pouco tempo pro apto de baixo, ele é muito esquisito… deve ter uns 40 anos, tem o cabelo bem grisalho, todo bagunçado, usa um óculos, nunca fala um “hi” e tem cara daqueles que vem pedir um saca rolha, mata o vizinho e enterra no jardim… o David disse que isso é fruto da minha imaginação de Bobby, mas eu tenho medo do cara…) Enfim, o semi-zumbi parou do meu lado. Eu olhei pra ele com aquela minha carinha meiga e disse “foi só um pouquinho de óleo hehehe”. Ele não respondeu e continuou olhando fixo pro painel. Eu vi um botão lá “silence fire alarm” e perguntei pra ele, “será que eu devo apertar?”. O pseudo-retardado continuou mudo. Eu resolvi sair correndo, porque o alarme ainda tava gritando e eu tava com medo do cara, se ele me pegasse ninguém ia ouvir meus gritos. Deixei ele no vácuo e voltei correndo pro apartamento.
Fiz uns gestos de mímica pro David, querendo dizer pra ele descer e resolver o painel, porque isso era tarefa de marido. Tá, não disse a última frase, ainda mais em mímica. Mas ele desceu. Girou a chavinha, apertou o “silence fire alarm”, tudo ficou quieto, e ele deu um “reset”. Parecia até que já tinha botado fogo em muita casa antes….
Enfim, o treco parou. Nós tivemos uma crise de gargalhada e eu tremia feito vara verde. Ele disse que óbvio, se alguém tinha que estreiar o alarme, esse alguém tinha que ser eu. Eu fiquei meio brava, porque o óleo nem chegou a queimar. Não tenho culpa que o detector é temperamental e sensível.
Voltei pra cozinha pra terminar os fishcakes. Dessa vez com janela escancarada quase caindo, exaustor no máximo e um ventilador virado de cara pro detector viado.

Eu e as unhas…

Ontem decidi fazer as minhas unhas nesse país. Meu Deus, pra que??? Resolvi eu mesma tirar a cutícula e tentar um esmalte mais ousado (não sou muito dos branquinhos, prefiro os vermelhos, os jabuticabas e seus primos). Fui até a “manicure” e pedi só pra pintar… só pra pintar, minha gente!!! É tão difícil assim?????
Bom, ela passou base, achei que isso não era etapa manicurística aqui, acabei relaxando. Passou a primeira camada de vermelho de um jeito que eu nem sei explicar… sem pegar os cantinhos, no sentido mais literal da palavra!!!!! Pintou umas bolinhas no meio da unha!!! Na verdade, depois do “incidente” descobri que aqui não se usa palitinho… pra que palito se a gente não chega na bordinha da unha né?????? Ai Cristo!!!!! Passou outra camada de vermelho, do mesmo jeito, fazendo movimentos de bolinha com o pincel. Me mandou enfiar a mão num negócio com uma luz roxa pra secar e disse “that´s it”… O que minha filha??????? Acabou???????????????? Sim, acabou. Nem o palitinho com acetona pra limpar as beiradas, nada.
Meu Deus, que lixo!!! Minha unha tem esmalte em todos os lugares que não encostam na cutícula e nem perto dos dedos. Olhando a uns 3 metros de distância tá ótima…. mas chegando perto, é de querer morrer!!!! Parece que eu colei uns adesivos vermelhos em cima da unha!!!!

E depois eles é que são evoluídos…. não sabem nem fazer a unha, porra!!!!!!!!! Que saudades da Jussara….

13 years later

E eu tô tendo uma síncope de felicidade, espasmos na bochecha de tanto sorrir, já saíram algumas lágrimas dos cantinhos dos olhos!! Muita emoção pra uma menina que cresceu viciada, perdeu anos em função disso, esperou mais treze por outro desses!!!!!!!!!

EU CONSEGUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII!!!!!!!!!! Pelo Ebay, mas consegui!!!!!!!!!! EU VOU ASSISTIR O BON JOVI TOCAR EM TWICKENHAM SÁBADO QUE VEM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Quem me conhece sabe que isso significa MUITO pra mim!!! Não faço mais parte do fã clube, mas a paixão dos onze anos de idade ainda continua!!!!!!!!!!

Pés no chão

Ontem, logo depois de ter escrito o post passado, fui miar a minha dieta sem glútem e leite. Fiz café com leite, com nescafé mesmo, e pão (de forma) com margarina. Deu pra quebrar o galho… sofri com a crise de intolerância à lactose depois, mas valeu a pena… hoje vi umas vaquinhas, que saudades que eu tenho delas todos os dias, que vontade de tomar meu leite!!!!

Bom, acho que estou me adaptando de verdade. Acho que a ficha tá começando a cair. Digo isso porque finalmente resolvi fazer minha inscrição no National Insurance Number (é tipo um cpf aqui, sem ele não dá pra trabalhar) e minha inscrição no médico (aqui a gente tem que ter tipo um “médico de família”, é de graça, mas se o cara não for bom, tem que caçar com gato mesmo). Isso me abriu os olhos e me fez perceber que agora tô aceitando a vida desse lado, tomando decisões mais burocráticas e civis, me fixando definitivamente nesse país.

Quanto ao coador de pano, vou comprar do site de produtos brasileiros mesmo. Nem acredito!! Obrigada pelas ofertas meninas!!!!!

E aguardem e cruzem os dedos! Se Deus quiser, semana que vem tenho novidades – quentes – por aqui!!

PS: Cris Gregory!!! Que bom ter você aqui de novo!!! Olha que louco, hoje pensei em você!! Tive que fazer entrevista pro NI lá em High Wycombe, e passei pela fofa da Twyford!!! Como é linda, né!!!! Fui de ônibus, naquele pinga-pinga… uma hora e meia pra ir de Reading pra Wycombe… ninguém merece né!!!!!! Apareça mais!!!!!! Vou comprar uns esmaltes Risqué também!!!! Esses cintilantes daqui me dão enjôo!
Beijos

Retorno

Engraçado como a saudade mexe com a gente… Ultimamente eu tenho voltado muito para os anos oitenta, começo dos noventa…

Tipo hoje, tempinho besta aqui desse lado do mar. Vento, nuvens, dia cinza e com cara de pijama. Queria muuuuuuuito sentar na mesa da cozinha que abria quando tinha mais gente. Pegar uma xícara marrom de vidro do armário que eu mal alcançava, um pratinho e uma colher. Pegar a lata de manteiga Aviação que ficava escondida e sentir o cheiro dela ao abrir a tampa, quase enferrujada. Apertar a garrafa térmica vermelha e espirrar aquele jato quente de café de coador de pano, nenhum outro no mundo é igual. Pegar o leite integral fervido da panela, porque leite de saquinho tinha que ferver. Comer pão quentinho da padaria com a manteiga escorrendo, tomar café com leite e açúcar na xícara marrom e, obviamente, molhar o pão no café com leite… Ai como eu queria estar na casa da minha avó…

 

PS: Se alguém um dia quiser me mandar um coador de café de pano, eu juro que faço um busto de argila e ponho no meio da praça de Reading!!!