Este não é um texto de auto ajuda, mas talvez seja.

Eu não sei vocês, mas faz um bom tempo que não me sinto inspirada. Pra nada, quem dirá para os meus textos. Não tenho inspiração pra criar, pra produzir, pra acreditar num mundo melhor, pra fazer a vida acontecer.
Há quem diga que a culpa é do mundo de hoje, há quem diga que é a idade. Realmente, há quem diga um pouco de tudo, e este também é o motivo. 

No entanto, quanto mais olho em volta, mais percebo a falta de inspiração nos outros. A vida vem nos esmagando como um enorme rolo compressor e em uma velocidade assustadora. Cada pedacinho de sonho, cada ideiazinha genial, cada pequena fé no ser humano, tudo é delicadamente esmagado pelo negativismo que toma conta da nossa contemporaneidade. É como se hoje em dia fosse legal ser pessimista. O “não” é o grito mais alto. 

O que une as pessoas atualmente são exatamente as coisas pelas quais são contra, não a favor. É fato que o ser humano busca coisas em comum para criar e manter seus círculos sociais. Se no pós guerra, a geração perdida de artistas se unia em volta da arte, hoje nos unimos em volta dos descontentamentos em comum. É um poço sem fundo. 

Há quanto tempo você não encontra alguém que verdadeiramente te inspire? Alguém que te faça querer correr atrás das coisas que você gosta, alguém que te incentive a ser você em seu estado mais bruto, sem meio-termo, sem diz que diz? Há quanto tempo você não encontra alguém que te motive, que te faça querer ficar por perto, que te dê ânimo pra continuar?

O que mais vejo é gente pregando exatamente o oposto. E eu sinto falta dessas pessoas inspiradoras, cheias de energia vital que transformam o dia de alguém. Talvez você também sinta falta. 

A verdade é que a gente espera sempre que algo venha e, meu amigo, não dá pra viver de espera. Ninguém nunca te trará motivação por pouco mais de alguns dias. Quantos anos da sua vida você ainda gastará esperando que algo ou alguém mude o que você tem hoje?

Seja você a pessoa que inspira. Seja você a pessoa que leva vida à sua volta, que chega distribuindo amor. Seja você o discurso do bem, o pivô da união através do contentamento, das coisas em comum. Seja você a mão estendida, o abraço apertado, a sensibilidade de perceber os momentos de quem está à sua volta e oferecer seus ouvidos, um café, um poema. Seja você o portador de otimismo e inspire, se inspire. 

Comece distribuindo sorrisos pra todas as pessoas que passarem por você hoje, leve amor, prosperidade e saúde em todos os seus discursos. Cerque-se apenas de gente que te faz bem. E repita isso todos os dias. 
“Try to make at least one person happy every day. If you cannot do a kind deed, speak a kind word. If you cannot speak a kind word, think a kind thought.” (Lawrence G. Lovasik)

Anúncios

Um comentário sobre “Este não é um texto de auto ajuda, mas talvez seja.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s