Nickita

Agora percebi que vai ser difícil falar sobre essas meninas, viu. É difícil colocar em palavras tudo o que a gente sente!!

A próxima é a Verônica. Na verdade ela tem um monte de nomes pra mim: Vê, Nicky, Nickita, Nhonca, Nhomo, Vèronique, Chucrutinha, e por aí vai…
A Vê foi mais uma das minhas amigas que apareceu do nada. Pra falar dela eu tenho que começar falando da Carol. A Carol é minha prima irmã, minha melhor amiga desde sempre, quem dividiu absolutamente a minha vida inteira, além da minha irmã. A Carol morou muito tempo fora de São Paulo, e mesmo assim a gente sempre foi muito unida.
Quando ela voltou pra São Paulo, foi morar em Alphaville. E começou a fazer cursinho pra medicina. No cursinho ela tinha um grupo de amigas: a Larissa, a Leonora, a Paula e a Verônica. Então, eu sempre soube da Verônica, via ela de vez em quando, mas a gente não era amiga.
Até o dia em que calhou de estarmos solteiras ao mesmo tempo e resolvemos marcar uma balada no jóquei. Acho que foi a primeira vez de uma longa estória de baladas. De um dia pro outro nos tornamos melhores amigas.
Se tinha uma balada em São Paulo, era eu e a Vê. Por muito tempo de solteirice a gente dividiu baladas. E acho que no fundo a gente nem queria começar a namorar pra não acabar com aquela fase maravilhosa que estávamos passando. Era a época em que qualquer amigo nosso que quisesse ir numa balada descente em São Paulo, ligava pra gente, ao invès de consultar o obaoba.com. Nós éramos o guia. E isso incluía festas de faculdade, Cheers, Klass, Manga, baladas que nem mais lembro o nome, mas muito boas.
Sempre fora do zero a zero, cada uma com um cara mais gato, várias viradas de tequilas… era assim que a noite começava. Com a tequila número 1 e muita música boa.
A gente curtiu tanto que começou a pegar a fase das baladas miadas. E mesmo assim a gente resolvia dançar pulando, que nem criança, só pra se divertir. Tinha dias que a gente só queria dançar mesmo, e passava a noite inteira dançando.
E no meio do caminho era sempre uma estória a parte. Ela me buscava com o Civic com adesivo do pica-pau, e íamos eu, ela e o Murphy pras baladas. Tudo acontecia no meio do caminho. A gente pegava trânsitos homéricos na Faria Lima até acabar a gasolina… a quantidade de vezes que o pneu furou de madrugada, eu nem sei contar! Sempre tinha uma estória. E mesmo as nossas “baladas de carro”, quando a gente não conseguia chegar nas baladas de verdade, eram memoráveis. Quantas vezes ficamos três horas no trânsito e acabamos a noite num Mc Donalds, sem entrar em boate alguma. E quantas vezes comemos batata frita com cheddar no Outback…
A Vê é minha confidente, sabe de todos os meus segredos, até aqueles que só eu sei. E isso foi resultado de muitas e muitas noites no Josè Menino, o barzinho da Vila Madalena preferido. Eram confissões regadas a chopp e pizza margherita.
A gente dividiu muita coisa, passou pelas mesmas situações por muitas vezes. E sempre solteiras. Até que surgiu o David na minha vida. E pergunta quem foi responsável por isso????? Pois é, a Verônica. Foi ela quem me encheu o saco pra instalar o icq no trabalho, foi ela quem se apaixonou virtualmente primeiro e foi ela quem me ignorou no icq e me fez procurar alguém pra treinar meu inglês. Foi ela quem assinou a minha certidão de casamento.
Eu não sei o que seria da minha vida sem a Nickita. As maiores risadas, as maiores besteiras faladas, os melhores porres e baladas. Não dá pra comparar as amigas, cada uma tem um significado diferente e especial. A Vê é daquelas que me fazem rir em qualquer momento, que me manda email num dia chato de trabalho me perguntando “se gnocci se fala nhoque, porque gnomo não se fala nhomo?”. É assim… ela tem crises, diz que não sou mais amiga dela, me faz comprar sudoku em plena Inglaterra, é o meu banco pra balada e eu sou o dela. Dinheiro nunca é problema, o que vale é a companhia. E eu não vejo a hora de voltar pro Brasil, encontrar ela no portão de casa, e virar uma tequila em qualquer balada miada, só pra fazer da balada miada uma balada inesquecível.
Eu não consigo ver alguém mais brava e hilária ao mesmo tempo. Não tem como a gente não se olhar e cair na gargalhada. Ela é uma das poucas pessoas nesse mundo que me entende sem me julgar e me conhece melhor do que ninguém.
A Vê foi o melhor presente que a Carol me deu nessa vida toda. E é a única que sabe fazer boca de pato. Amo, amo, amooooo!!!!!

Carol, Vê e eu. É sempre assim!!!

Anúncios

2 comentários sobre “Nickita

  1. veronica disse:

    Minha nossa! Eu passei 5 dias sem entrar no blog e levo um susto com o titulo “Nickita” e logo pensei o que eu fiz de errado e que lá vinha bronca publica… mas na verdade me deparei com um texto maravilhoso que me fez rir e chorar ao mesmo tempo! Lembrei de vários momentos e várias coisas que com certeza não vão mais voltar, mas que me fazem feliz em pensar que passei tudo isso com uma pessoa especial e por mais distante que esteja, nada vai apagar tudo o que a gente passou. Definitivamente vc também é o melhor presente que ganhei da Carol.
    Amo tu, tatu!
    PS: eu nao consigo não rir quando olho essa foto!! Mesmo depois de olhar mais de 50 vezes durante uns 5 anos!

  2. ferrozindo disse:

    Nêga, não vou comentar no post, sorry (é algo tão pessoal, que acho que só quem conhece as duas tem algo a dizer =o)).
    Só queria perguntar se vc tá bem?
    Eu tô sem tempo mas não te esqueço viu?!!

    beijão gata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s