Suficiente

Existe uma fase em que você se levanta dos tombos, ajeita os curativos da alma e entende que para tudo na vida existe um suficiente. Enough! Basta! 
O suficiente é o ponto de partida e é a linha de chegada. O suficiente é o que separa o teu hoje do que você foi um dia, é o que distingue o caminho que um novo você vai seguir. 

E é facil descobrir quando o suficiente chega, porque ele chega dolorido. Ele nunca vem vazio, vem cheio de incertezas. Ele nunca é claro, carrega suas maiores confusões: ele vem cheio de você mesmo. 
O suficiente traz apenas o que lhe é necessário: uma cópia rabiscada de quem você é, de quem você foi e de quem você está se tornando. E se tem uma coisa que o suficiente sempre traz, querendo ou não, é a pressão de decidir. Decidir pelo hoje, por você, por mais ninguém. Egoísta assim. Sem ajuda, sem colo, sem ombro pra chorar, se a decisão for errada. 
O que você vai levar a partir daqui? O que você vai deixar?
Você é apenas resultado das tuas decisões de ontem. E se te falta algo ou se outro algo te conforta, é porque um dia você teve que decidir. 
Se existe alguma obviedade na vida, é justamente sentir uma metade sua cheia, outra metade vazia. É carregar consigo as escolhas de um alguém que, à duras custas, você conseguiu traçar. 
Talvez você consiga ser hoje o que sempre sonhou um dia. Talvez você esteja onde sempre quis. Ou talvez você seja apenas humano demais pra ter sequer um pingo de certeza do que realmente quer. E isso, meu amigo, nada mais é do que mais um caminho cheio de possibilidades. 
Nós somos capazes de mudar apenas nós mesmos e de, às cegas, moldarmos quem seremos amanhã, baseados unicamente no que somos agora.
Decisões nunca são o fim do caminho, são apenas bifurcações. O “basta” é um leque cheio de oportunidades. Escolhas geralmente doem, mas também dão um orgulho inexplicável.

Anúncios

3 comentários sobre “Suficiente

  1. Pedro Cosati disse:

    Muito curioso ler este texto poucas horas de reaprender uma valiosa lição com meu pai: nunca dependa de ninguém!
    Precisamos trilhar nossos próprios caminhos e assumir toda a responsabilidade.
    Talvez mais importante do que isto é saber que, se erramos, podemos consertar. Sempre há tempo de trilharmos outros rumos, então não estarmos onde gostaríamos não é motivo de lamentações, mas motivo para nos inspirarmos e buscarmos forças para alcançar nossos objetivos.
    Adorei o texto e, como sempre, ele falou comigo intimamente. Obrigado por mais esta leitura!
    Beijos!

  2. Gely Durães disse:

    Identificação total, Milena. No final do ano passado dei um “basta” com a certeza de que tudo o que vivi já tinha sido suficiente naquela situação. Mas nem por isso deixou de ser doído e duro. Mas mesmo com todos os fantasmas que o medo traz, sinto sim uma “pontinha de orgulho” de ter conseguido. Apesar das incertezas.
    Adorei o texto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s