Amor no limbo

A verdade, no entanto, é que eu gosto muito de você. Mais do que deveria, mais do que poderia. Eu fantasio um pouco com a nossa história e é difícil. Difícil porque o nosso relacionamento existe num limbo entre os nossos paralelos e eu acabo me envolvendo e me perguntando até que ponto vale a pena ter você em mim por todos os minutos do dia, sem te ter de fato – e eu sei que valeria se toda essa importância fosse exatamente recíproca.

Amar no limbo é difícil. Porque não há o toque no rosto pra acalmar qualquer dúvida, não tem o abraço apertado pra sossegar o fim do dia, não traz o olhar que promete que a sua pele tem o gosto de mais ninguém. Amar no limbo não tem a fala leve na ponta do ombro depois do orgasmo, a risada boba que apaixona instantaneamente, não tem o prato preferido feito num domingo à tarde e nem o braço entrelaçado no sofá. Amar no limbo é triste porque você está sempre dividindo, se dividindo, tentando entender exatamente que lugar da prateleira teu amor ocupa. E se culpa. 

E a única certeza que tenho é que não há como assegurar o amor fora do limbo, mas pode-se contemplá-lo. Dá pra interpretá-lo no cheiro, no olhar, no som do riso. Fora do limbo, te prometo, é tudo diferente. 

Por enquanto, aqui dentro, a única coisa que tenho é o meu sentir. E te sinto por inteiro.

Anúncios

2 comentários sobre “Amor no limbo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s