Anna, eu resolvi parar

Anna,

Eu resolvi parar. Não consigo mais continuar assim, como se tudo estivesse bem, como se existisse algum tipo de amizade, como se eu não passasse por uma crise de abstinência dessa droga pesada que é o teu carinho. Ainda me dói uma dor estranha, leve mágoa de um amor rejeitado, um gosto amargo do teu beijo na minha boca. Arrancou de mim a agulha e agora eu não sei o que fazer sem doses intravenosas suas.
Meus dias são longos e eu vou vivendo. Levantando todo dia de manhã com você na cabeça e essa sua vidinha perfeita gritada aos sete mares. O gosto amargo na minha boca mais uma vez. Por você não ter tentado, não ter encarado, por ter desistido de um dia para o outro. Por você ter me trocado por uma versãozinha inacabada e fácil de mim. Ele é novo, eu sei, tem uma cabeça bacana e é interessantíssimo, como todo mundo no começo. Mas isso passa, e eu sei, menina, que um dia você vai me olhar de novo e pensar em tudo o que poderia ter sido e não foi. Foi. Uma escolha tua.  Decidida, seca, dura como um soco no meu estômago. Não quero mais. E ainda acho que a pior coisa do mundo é ouvir de alguém que você gosta um “seja feliz, segue a tua vida”. Um murro no peito, um aperto no coração. Porque eu sei melhor do que você que posso ser feliz a hora que eu quiser, mas eu quero ser feliz contigo perto.
Me pergunto se ainda pensa em mim de vez em quando, se ainda me deseja, se tudo isso não passa de uma mera tentativa de matar um amor que não pode ser. Será que já passei na sua vida? Será que três anos assim são varridos pra debaixo de um tapete no fundo da memória? Será que isso que me dói não dói mesmo em ti, nem um pouquinho? A sua vida perfeita. O meu mundo errado.
Você está me ensinando a olhar em volta. A amar o mundo sem você por perto. Eu já passei por isso uma vez, deveria ser fácil, mas não é. Porque eu me permiti te amar sem ter medo de entregar meu coração. E esse é o único arrependimento que eu tenho. Você não sabe o que fazer com o meu amor.
E o que eu queria te dizer nesta carta, mais uma vez não consegui.
Que estou andando, que estou esquecendo seu sorriso, o calor debaixo do edredom. Que estou  esquecendo como brilham os teus olhos e o o som da tua voz . Que estou esquecendo o quanto de amor eu ainda guardo por ti. É, eu tô tocando a vida. Um pouco mais humano, um pouco mais forte. Só não te esqueça que dores assim encouraçam um ser humano e talvez um dia seja tarde demais. Estou apenas seguindo uma escolha tua.

Matar um amor é a forma mais dolorosa de acabar com um.

 

“Anna,
You come and ask me, girl,
To set you free, girl,
You say he loves you more than me,
So I will set you free,
Go with him.”

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s