Tem de caber o mar

Em toda palavra que escrevo, tem de caber o mar.
Em toda palavra que escrevo, há de se naufragar.
Se solto minha escrita ao vento, receba-a em pergaminho enrolado dentro de garrafa de rolha.
Receba papel rasgado, salgado, amarelo, feito lágrima em folha.
Se solto minha escrita ao vento, abra todas as janelas e aguarde.
Palavras lhe chegarão ferozes, feito temporal de fim de tarde.
É que em toda palavra que escrevo, tem de caber inteiro o mar.
Em toda a palavra que escrevo, há de caber um pouco amar.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s