O abismo

Eu queria olhar no fundo dos seus olhos, naquele fundo mais fundo onde a gente vê o que tem por dentro e queria dizer que te amo, que te quase amo, qualquer coisa dessas que são mais fortes do que a simplicidade de apenas gostar, e queria segurar teu braço e te chacoalhar e dizer que tudo isso não passa de uma história de amor pra mim, por mais que você não sinta, eu sinto, eu talvez até sinta por nós dois, mas você não diz, não conta o que fui pra você porque talvez eu não tenha sido nada, talvez eu tenha me apaixonado sozinha mesmo como quem pula de um penhasco esperando que o outro venha e o outro não vem, e eu seguro teu braço e grito que me entenda, que tudo o que fiz foi por amor, que todas as burrices do mundo são por amor, um amor que não cresce, não diminui, um amor que fica e que, na verdade, nem sei dizer se é amor mesmo, porque não sei se te amo ou se quase te amo, mas – olha, eu disse – bastaria um gesto seu pra eu ir e dizer, e fazer, mas o fundo dos teus olhos é um desses abismos e eu continuo caindo e caindo e acho que você não me quer mais dentro dele e eu tento me amarrar, me amarrar em qualquer coisa fora do penhasco dos teus olhos, e te chacoalhar para que fale, pra que cuspa qualquer coisa de dentro do teu peito e me deixe cair de vez. Mas não, a vida não é um filme e nem tudo termina como Casablanca.

Anúncios

6 comentários sobre “O abismo

  1. Anna disse:

    Oi Milena,

    mandei um email pro micastino@ e nao sei se vc recebeu. Talvez vc tenha lido e nao tenha interesse, mas eu queria soh confirmar com vc se vc leu.
    Continuo adorando seus textos! Vc esta escrevendo cada vez melhor. Keep going girl!!!

    beijos

    Anna

  2. Brunno Lopez disse:

    As emoções estão se atirando e, se quem estiver lendo não se desviar, acaba afundando junto com a autora nesse abismo.
    Já li vários documentos intensos que estimulam mais que uma overdose de energéticos, entretanto, existe uma naturalidade aqui. Uma ânsia por interação, uma cena de Tarantino, uma coalisão, uma expectativa de inesperado.
    Certamente, um conflito entre várias denominações sentimentais que o mundo já catalogou.

    Essas letras escorreram pelos seus dedos. Até o mais insensível dos seres humanos há de se deixar inundar por elas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s